31 de março de 2011

Resenha Clássica: Auto da Barca do Inferno


Oi, gente! Tudo certo com vocês? Aqui é a Mila! Bem, hoje venho para vocês com a resenha de mais um clássico: Auto da Barca do Inferno.
Auto da Barca do Inferno é um livro escrito para teatro por Gil Vicente - o primeiro dramaturgo da língua portuguesa -, tendo sido encenado pela primeira vez no ano 1517.
A história é uma sátira à organização social de Lisboa do século XVI, e é a primeira parte de uma trilogia, cujas sequência são Auto da Barca do Purgatório e Auto da Barca da Glória.
A história gira em torno de treze personagens, cada um representando um erro da sociedade. Quando os personagens falecem, vão parar num rio. Lá encontram-se duas barcas: A barca do inferno, comandada pelo diabo e um companheiro, e a barca da Glória, comandada por um anjo.
Sempre ao chegar, os personagens avistam primeiro a barca do inferno. Sem saber o que é, começam um diálogo com o diabo. Este conta rapidamente às pessoas que a barca os levará ao inferno, e insiste para que entrem. Todos resistem, e alguns tentam ingressar na barca da Glória, cujo anjo proíbe a todos (que é quando acontecem as críticas mais explícitas a sociedade, pois o anjo explica na maioria dos casos o motivo pelo qual não podem entrar na barca, expondo seus erros e pecados), exceto quatro cavaleiros.
Alguns personagens arrependem-se do que fizeram na Terra, mas outros não chegam a ter nenhum lampejo de consciência ou arrependimento. Retornam, e entram na barca do inferno.
Os únicos personagens a conseguir entrar na barca da Glória são quatro cavaleiros, templários que morreram lutando na guerra santa, nas Cruzadas. O anjo diz que os estava esperando, e que eles são dignos de ir ao Paraíso pois morreram por Jesus Cristo.
Gil Vicente, com o livro, faz crítica ao clero e a nobreza, e também ao povo explorando o próprio povo. Faz crítica a avareza, maldade, soberba, e tudo o que achava errado na sociedade de Lisboa. Cada uma dessas características é explorada a partir dos personagens que vão ao inferno. Cada um com um pecado.
O livro é muito pequeno, contando com cerca de 50 páginas de história e, como foi escrito no século XVI, a estrutura linguística e o vocabulário são extremamente diferentes ao que utilizamos atualmente. Se você não está acostumado, vai precisar de um dicionário, e um muito bom! rs. Ou você pode comprar o livro que conte com notas e observações de alguma escritora/professora, como foi o meu caso. Isso facilitou demais minha compreensão, pois ao final dos capítulos havia um pequeno comentário, explicando resumidamente o que havia acontecido.
Não é uma história que te chame para ler cada vez mais. Chega a ser um pouco maçante, mas cada um tem uma opinião.
Até a próxima, pessoal!

Compartilhe

  • Delicious

Sobre a convidada:

Camila O.: Gosta de ler e ouvir músicas, principalmente dos anos 60. É fã de The Sims, Disney, Guitar Hero e seriados e filmes de comédia. Tem medo de filmes de terror. Ama milkshake e McDonald's.

|Leia mais +|

11 comentários:

  1. Nossa,tô lendo esse livro para o colégio,acredita?
    Hoje a professora deu uma revisada e falou bastante da obra e do Gil Vicente!!

    Adorei a resenha clássica,rsrsr

    Bjs ;)

    ResponderExcluir
  2. Oi Helô,
    Lembro que fui obrigada a ler esse livro na escola, como a maioria das pessoas!! O resultado: claro que odiei!! rs... Mas depois de um tempo li o livro de novo e fiquei bem impressionada com o tema!! rs...
    beijos
    Camila

    ResponderExcluir
  3. Já li esse livro :S
    Não é meu tipo favorito de leitura!

    ResponderExcluir
  4. Li esse livro ano passado, pois tinha achado a tematica interessante, meu, eu adoreei! Muito interessante o jeito que ele aborda, só a linguagem é realmente difícil, mas vale a pena

    ResponderExcluir
  5. Sou alguem sem cultura!! Nunca leio esses livros =X
    Lia apenas na época da escola, mas hoje em dia não meio mais.
    Acho interessante diferente fazer analises de livros classicos. Pelo que li na resenha esse parece ser um tanto bom até!
    Carol, resenha muito bem escrita e esclarecedora!!


    Abraço


    Luiz Silva
    www.blogueiroleitor.com.br

    ResponderExcluir
  6. Esse eu nunca tive que ler no colégio, mas meu irmão, ano passado, precisou ler. Acho que vou pegar emprestado. Ruim vai ser pra ler os outros dois livros.

    ResponderExcluir
  7. Li esse livro na faculdade, é o máximo!
    Adoro clássicos! :D

    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  8. -Oi Guilherme! Obrigada, que bom que gostou :D
    -Oi Camila. Haha.. É, o tema e o livro todo foram muito bem bolados.
    -Oi Vulcka. Pois é, nem o meu, rs.
    -Oi Le_tih, também achei interessante a temática.
    -Oi Luís. Quem escreveu a resenha foi na verdade eu, Heloísa. E muito obrigada :D Que bom ue gostou.
    -Oi Érika. Haha, mas este você lê em minutos. É super pequeno, e vale a pena ^^
    -Oi Sanzinha, que legal^^

    Gente, obrigada pelos comentários! :D

    ResponderExcluir
  9. Bruna Pedroso21/04/2011 21:45

    Eu já ouvi falar desse livro num programa da TV cultura, "tudo o que é sólido pode derreter" - nem passa mais, mas fica a dica ;) Eu fiquei com uma impressão muitoo confusa da história, por isso nunca fui atras para ler, mas quem sabe agora né, clássico é sempre clássico..

    ResponderExcluir
  10. Já li, curti bastante e super concordo com o Gil Vicente.
    Beijoo ;*

    ResponderExcluir
  11. Boa resenha, porém o "Parvo" também vai à barca do céu.

    ResponderExcluir

Olá leitor! Quero muito saber o que você do post!

-> Deixe nos comentários suas impressões, opiniões e expectativas. Só não vale contar algum spoiler sobre o livro, rs. Se quiser falar comigo e não quiser usar os comentários, você pode escrever para mim por meio do formulário de contato, clicando aqui.

Obrigada pela visita! :D


Blogger Template by Clairvo