29 de janeiro de 2014

Resenha O Histórico Infame de Frankie LandauBanks - E Lockhart

Título: O Histórico Infame de Frankie Landau-Banks | Autor: E. Lockhart | Número de páginas: 344 | Ano: 2013 | Compre: Livraria Cultura | Leia um trecho
Frankie não é mais apenas a menina invisível que costumava ser. Agora com 15 anos, e cursando o segundo ano em um dos colégios internos mais ricos do país, ela cresceu, ganhou corpo e passou a ser notada. Apesar disso, para a família Frankie ainda continua sendo uma princesinha, e para seu namorado, bem, digamos que ele está subestimando sua inteligência.

Quando ela descobre que Matthew, o namorado, faz parte de uma sociedade secreta, a mesma da qual seu pai era membro quando estudava na Alabaster, e percebe que os rapazes não vão aceitá-la como parte do grupo para ocupar além da posição de “namorada de Matthew", ela cria uma estratégia para, de certa forma, participar das peças que a Leal Ordem dos Bassês prega pela escola.

Primeiras frases
"Para: Diretor Richmond e o Conselho Administrativo da Escola Preparatória Alabaster

Eu, Frankie Landau-Banks, venho por meio desta confessar que sou a única por trás das malcriações da Leal Ordem dos Bassês. Assumo responsabilidade total pelos transtornos provocados pela Ordem - incluindo a Garota da Biblioteca, os Cãezinhos na Janela, a Noite dos Mil Cães, a Revolta da Beterraba Enlatada e o sumiço do Peixinho.

Isto é, eu escrevi as instruções indicando a todos o que deviam fazer. Eu, e somente eu.

Não importa o que Porter Welsch tenha dito a vocês em sua declaração. É claro que os cães da Ordem são seres humanos com livre-arbítrio. Eles executaram suas tarefas sem demonstrar qualquer tipo de remorso."

O Histórico Infame de Frankie entrou para o recorde das minhas leituras mais rápidas do ano. Sem brincadeira, praticamente devorei o livro em menos de um dia. rs Pode parecer loucura, eu sei, mas não consegui aguentar de curiosidade para saber o que ia acontecer a seguir.

Vocês sabem que prefiro muito mais narrativas em primeira pessoa, mas eu, simplesmente, adorei a de O Histórico Infame, que é em terceira pessoa! Ela é bem mais definida por ideias mesmo do que descrições e tem uma dinâmica ótima, sem perder tempo e ainda trazendo curiosidades sobre sociedades secretas (inventadas pela autora, ela conta nas notas no final do livro), gramática e a ideia do pan-óptico. Veja bem, Frankie ainda tem um pouco de nerd, gosta de ler, faz aula de latim e escolheu participar do grupo de debates.

Bom, temos um lado feminista de Frankie, mas não achei nada muito radical, digamos assim. Na minha visão, pareceu que tudo o que ela faz teve relação com o desejo de se sentir integrante, fazer parte de um grupo, e também com a vontade de ser reconhecida por mais do que um rostinho bonito, por sua mente, suas ideias. Claro que, com 15 anos, ela também tem atitudes infantis. E, afinal, porque uma sociedade secreta deveria ser exclusiva para o garotos? Essa segregação só é explicada por uma tradição desde que a Ordem Leal dos Bassês? E porque ela tem que ser "protegida" a todo momento e ser vista como frágil e indefesa? 

Mesmo não sendo voltada para o romance, eu adorei a história e ficaria muito feliz se a autora resolvesse escrever uma continuação. Acredito que teria muita coisa legal para acontecer como, por exemplo (selecione para ler, pode ser spoiler para quem ainda não leu o livro), Frankie criar sua própria sociedade secreta e começar a competir com os Bassês. Ela também se daria bem com o Alfa, vocês não acham?

Nada como um divertido juvenil sem nenhum aspecto sobrenatural de vez em quando né?! Recomendo!!  Seguinte  quero mais livros da E. Lockhart no Brasil!

Compartilhe

  • Delicious

0 comentários:

Olá leitor! Quero muito saber o que você do post!

-> Deixe nos comentários suas impressões, opiniões e expectativas. Só não vale contar algum spoiler sobre o livro, rs. Se quiser falar comigo e não quiser usar os comentários, você pode escrever para mim por meio do formulário de contato, clicando aqui.

Obrigada pela visita! :D


Blogger Template by Clairvo