1 de outubro de 2014

Resenha Outlander: A Viajante do Tempo - Diana Gabaldon

Título: Outlander: A Viajante do Tempo | Autor: Diana Gabaldon | Págs: 800 | Ano: 2014 | Editora: Saída de Emergência | Leia trecho | Press-kitCompre: Livraria Cultura
A resenha de hoje é sobre o primeiro livro de uma série literária que está dando o que falar. Outlander – A Viajante do Tempo, da autora Diana Gabaldon está sendo publicada, agora no Brasil, pela editora Saída de Emergência! Além disso, o canal Starz criou uma adaptação da série para a tv que já exibiu, até o momento, oito episódios. Continuem lendo o post pois vou contar todas as minhas impressões sobre essa grande aventura!

Claire Beauchamp Randall está indo para a Escócia para viver uma nova lua de mel e restabelecer a ligação especial com seu marido Frank. O casal passou os últimos anos separados por conta da 2ª grande guerra, ele servindo como oficial e ela como enfermeira. Chegando na cidadezinha de Inverness, Frank começa a buscar informações sobre seu antepassado que viveu na região, o famoso capitão inglês Jonathan Randall, mais conhecido como "Black Jack".


Enquanto isso, Claire descobre Craigh na Dun, um local utilizado para rituais que contém um misterioso círculo antigo formado de grandes pedras. Aproximando-se para colher uma flor rara que cresce próxima ao círculo, Claire passa por uma experiência extraordinária e, ao mesmo tempo, assustadora: ao colocar as mãos em uma das pedras é levada para o passado, cerca de 200 anos atrás. Transportada ao ano de 1743, Claire se vê em meio a um confronto entre soldados ingleses e rebeldes escoceses.

Claire não sabe como foi parar ali, e se contar a alguém, será considerada, no mínimo, louca. Ela é acolhida como uma hóspede pelo clã Mackenzie depois de escapar do Capitão Randall e passa a trabalhar como curandeira, graças ao seu conhecimento sobre ervas e sua atuação como enfermeira. Nem todos parecem acreditar na história de que era uma mulher casada comum que foi assaltada na estrada, principalmente Dougal Mackenzie. Agora, ela precisa provar aos Mackenzie que não é nenhuma espiã inglesa e, mais ainda, encontrar um jeito de voltar para casa. Em meio a toda essa confusão, o que complica ainda mais a vida de Claire é sua inegável atração pelo jovem Jaime, contraditória ao desejo de reencontrar Frank.

Primeiras frases
"Não era um lugar muito provável para desaparecimentos, ao menos à primeira vista. A pousada da sra. Baird era igual a milhares de outros estabelecimentos que ofereciam hospedagem e café da manhã nas Terras Altas, a região montanhosa da Escócia, em 1945 - limpa e tranquila, com papel de parede floral desbotado, assoalhos reluzentes e um aquecedor de água operado com moedas no banheiro. A sra. Baird era atarracada e afável, e não fazia nenhuma objeção ao fato de Frank cobrir sua minúscula sala de visitas decorada com raminhos de rosas com as dezenas de livros e papéis com que ele sempre viajava.
Encontrei a sra. Baird no vestívulo quando eu estava saindo. Ela me parou, pôs a mão rechonchuda em meu braço e deu leves toques nos meus cabelos.
- Nossa, sra. Randall. Não pode sair desse jeito! Vamos, deixe-me ajeitar aqui um pouco para você. Pronto! Assim está melhor. Sabe, minha prima estava me falando de um novo permanente que ela fez, fica lindo e dura que é uma beleza. Talvez devesse experimentar esse tipo da próxima vez.
Não tive coragem de lhe dizer que a rebeldia dos meus cachos castanhos-claros era obra exclusiva da natureza e não devida a qualquer negligência por parte dos fabricantes de permanente. Suas próprias ondas firmemente marcadas não sofriam de tal perversidade."

Outlander – A Viajante do Tempo foi, com certeza, um dos lançamentos mais esperados deste ano desde o anúncio feito pela SDE, e uma das leituras mais legais que fiz nos últimos tempos, apesar dos seus altos e baixos.

Outlander tem elementos importantes para uma história perfeita – e para trazer tudo o que aprecio num bom livro -, como personagens complexos e bem construídos por quem a gente adora torcer; narrativa em primeira pessoa, trazendo a visão de um em particular sobre tudo o que acontece a sua volta; viagem no tempo que força a personagem a se adaptar a uma nova realidade; um quê de magia e mistério que ronda o círculo de pedras e a volta no tempo; o contexto histórico e as ótimas descrições que nos transporta para o final do século XVIII; muito romance e química entre o casal de protagonistas (rs); e conflitos morais e políticos. Mas nada é perfeito, rs, e há algumas coisas que acontecem na história, como uma certa tortura, que, para mim, eram totalmente dispensáveis... e acabaram levando os personagens para um caminho que, sinceramente, não gostei.

A meu ver a autora também gastou uma carta valiosa logo no inicio da história, adiantando um certo acontecimento que estava esperando lá para o terceiro livro ou depois. Mas isso é só um detalhe. Pode ser que esse fato limite um pouco as possibilidades do desenrolar da trama, mas, se pensarmos bem, criatividade não é problema para Diana Gabaldon já que a série conta já com 8 livros publicados em inglês. Confesso que perdi parte do meu entusiasmo inicial nas primeiras 300 páginas – que estava imenso - por conta disso, mas continuei lendo, claro! Primeiro porque a história é ótima e tem grande potencial e, segundo, porque queria ver se haveria alguma grande reviravolta para mudar drasticamente o rumo das coisas. E não é que aconteceu mesmo?

Tenho que comentar que, apesar das 800 páginas, Outlander possui uma leitura agradável já que a editora se preocupou em utilizar, no livro, um bom tamanho de fonte. Digo isso porque sofri muito com as letras miúdas de Game of Thrones!

Apesar dos pontos negativos desse primeiro livro, os positivos compensam, e é praticamente improvável que eu não tenha interesse de ler o próximo volume da série, cuja previsão de lançamento ainda não foi divulgada. Assim que souber de algo volto para contar para vocês!
Editado 2/10: Lançamento em novembro!

. Livro x Série de TV
  Sing me a song of a lass that is gone...
Sempre gosto de trazer, também, sobre as adaptações das obras literárias e não podia deixar de falar sobre Outlander que está sendo exibida pelo canal Starz desde agosto, tendo chegado ao oitavo episódio no último sábado.

O que posso dizer, até o momento, é que me parece que os produtores estão tentando manter a série fiel ao livro e estão conseguindo, os principais acontecimentos estão presentes e há alguns aspectos que foram até melhorados. Os locais das gravações Escoceses, a fotografia da série e a caracterização dos personagens estão ótimas e Jaime Fraiser a trama, claro, consegue tirar o fôlego das telespectadoras! rs Ainda me divido em relação a interpretação de Caitriona Balfe como Claire, mas vamos ver como a história vai se desenrolar, já Tobias Menzies está detestável como Jonathan Randall, representando muito bem o personagem. O sucesso é inegável e a série já foi renovada para uma segunda temporada.

Assista abaixo ao trailer:


Não se esqueçam de comentar suas opiniões sobre o livro e sobre a série e me contar o que estão achando. :)

Compartilhe

  • Delicious

0 comentários:

Olá leitor! Quero muito saber o que você do post!

-> Deixe nos comentários suas impressões, opiniões e expectativas. Só não vale contar algum spoiler sobre o livro, rs. Se quiser falar comigo e não quiser usar os comentários, você pode escrever para mim por meio do formulário de contato, clicando aqui.

Obrigada pela visita! :D


Blogger Template by Clairvo