10 de abril de 2015

Resenha O Hobbit - J. R. R. Tolkien

Título: O Hobbit | Autor: J. R. R. Tolkien | Número de páginas: 299 | Ano: 2012 | Editora: Martins Fontes | 
Bom, confesso que nunca havia lido nada de Tolkien até agora, e aproveitei o desafio de 2015 para colocar em prática a minha leitura dO Hobbit. Antes tarde do que nunca, não é mesmo?! rs

Bilbo, Gandalf e os Anões.

Bilbo levava uma vida sossegada e confortável na vila dos Hobbits. Nada tirava sua tranquilidade, até o dia em que um certo mago e mais treze anões - Thorin, Gloin, Oin, Balin, Dwalin, Kili, Fili, Dori, Nori, Ori, Bofur, Bifur, Bombur - aparecem a sua porta e lhe fazem uma proposta tentadora: embarcar em uma expedição para recuperar um antigo tesouro.

Como era de se se esperar ele, a princípio, detesta a ideia de deixar o conforto do lar, a comida e a lareira quente - essa é sua parte Bolseiro falando - mas no fundo no fundo ele sempre gostou de uma aventura. É essa sua parte Tuk, herança de sua família materna, audaciosa e destemida, que Gandalf tenta trazer à tona a fim de convencê-lo a ser o ladrão da comitiva de Thorin, o rei dos anões que teve suas riquesas roubadas, digamos assim, por nada mais, nada menos que um dragão, que ainda se encontra na montanha solitária.

Bilbo é aquele cara que se acomodou a vida pacata e confortável, e acabou trocando seus sonhos mais ousados por uma sensação de segurança. Ele desde sua infância já mostrava interesses pelos mistérios do mundo, se arriscava para conseguir avistar o povo élfico, mas em algum momento, deixou de lado essa exploração direta e passou a ficar mais dentro de casa, se aventurando apenas por meio dos livros. Quando Gandalf e os anões chegam, ele se vê em conflito, mas acaba tomando coragem e faz o que sempre teve vontade, ou seja, conhecer novos lugares da Terra Média e viver uma aventura, de verdade!

Ele é um personagem muito interessante, sofre, no começo, por conta de suas manias mas acaba se mostrando bastante criativo para lidar com as novas situações e enrascadas em que o grupo se mete. No filme isso fica ainda mais explícito e divertido, como na cena do encontro com os trolls, onde Bilbo tenta ganhar tempo antes que os anões acabem indo parar na fogueira. rs Além disso, temos o encontro com Sméagol/Gollum, e o jogo de charadas, que é um das melhores partes da história!

A impressão que tive durante a leitura dO Hobbit foi meio que ouvir o próprio Tolkien contando a história, pois a narrativa do autor traz e explica os acontecimentos de uma forma - a melhor palavra que encontrei para explicar foi - pessoal. Isso, além do fato de que há até um certo tom infantil em como a narrativa é construída, fato que fica explicado quando descobrimos que Tolkien escreveu a história para seus filhos.



Mas voltando a falar das adaptações cinematográficas, ainda não tive oportunidade de ver o último que saiu, A Batalha dos Cinco Exércitos, mas gostei que os filmes dO Hobbit passam um clima mais leve em relação a trilogia dO Senhor dos Anéis, que tem um tom mais dramático é sério etc. Um ponto negativo de ter visto antes de ler foi que fiquei esperando pela aparição do nosso arqueiro elfo favorito Legolas (quem mais seria?) aparecer, mas nada nele neste livro. Aiai. Agora terei de ler O Senhor dos Anéis!

Compartilhe

  • Delicious

0 comentários:

Olá leitor! Quero muito saber o que você do post!

-> Deixe nos comentários suas impressões, opiniões e expectativas. Só não vale contar algum spoiler sobre o livro, rs. Se quiser falar comigo e não quiser usar os comentários, você pode escrever para mim por meio do formulário de contato, clicando aqui.

Obrigada pela visita! :D


Blogger Template by Clairvo