Vi na Livraria: Kingmaker - Uma jornada no inverno

08:24

Hey pessoal, como vão? Outro dia, passando por uma livraria, um certo título entre muitos outros acabou chamando a minha atenção: O primeiro volume da série histórica Kingmaker se passa no século XV, na mesma época em que ocorreu a Guerra das Rosas. Para quem ficou curioso, a Rocco disponibiliza um trecho para leitura em seu site.

Uma jornada no inverno abre a série Kingmaker com uma narrativa repleta de fogo, neve e sangue. Em seu primeiro e aclamado romance histórico, Toby Clements recria de maneira meticulosa os tempos mais caóticos e violentos de todo o passado inglês: a segunda metade do século XV, período marcado pelo conflito civil que ficou conhecido como Guerra das Rosas. Cruzando mares, montanhas e campos de batalha, o leitor acompanha um monge e uma noviça em fuga por um universo de crueldade regido pela fome e as intempéries – a Europa medieval. O resultado é um romance histórico vívido e brilhante, perfeito para fãs de Ken Follett ou Bernard Cornwell.

Em 1460, nas primeiras horas de uma manhã gelada, o cônego Thomas recebe a missão de acabar com o sofrimento da raposa que, presa em uma armadilha do outro lado do rio, fez seu grito ecoar por todos os cômodos do monastério durante a madrugada. Porém, em meio ao bosque, não muito distante do corpo agonizante do animal, ele avista duas freiras sendo atacadas por homens a cavalo. Ainda que atabalhoadamente, vestindo batina e tamancos, Thomas consegue salvá-las. Ao mesmo tempo, acaba selando seu destino e o da jovem irmã Katherine: jurados de morte e acusados de comportamento lascivo, não veem alternativa senão fugir.

Longe da clausura, eles só encontram hostilidade, medo e tragédia. A Inglaterra, dilacerada após a Guerra dos Cem Anos, foi dominada pela barbárie. As terras britânicas se tornaram cenário de sucessivas tramas e conflitos pela conquista do trono, disputado na ponta da espada entre as famílias reais de York e de Lancaster. Nesse contexto, para além de descobrir as liberdades – e respectivas privações – mundanas, Thomas e Katherine são obrigados a literalmente lutar pela sobrevivência.

Marcado por peripécias e surpresas, Uma jornada no inverno, ao longo de suas mais de 500 páginas, mantém um ritmo implacável sem jamais abdicar da verossimilhança e do respeito aos fatos. Mais do que isso, Toby Clements exibe apuro estético ao reconstituir os detalhes daquela época – combinações de palavras escritas se transformam em sons, texturas e aromas (embora nem sempre dos mais agradáveis) próprios do mundo quatrocentista. O autor é ainda capaz de escapar da perspectiva da nobreza para priorizar o ponto de vista das pessoas comuns, dando um sentido épico aos tormentos e provações de uma nada pacata vida cotidiana. Trata-se de uma ode à resiliência humana, que, mesmo brutal e impiedosa, não falha em seus objetivos de empolgar e fascinar.

A primeira coisa que despertou interesse foi a capa (porque sou fã de capas com esse estilo antigo, rs) e a sinopse, ainda fazendo menção aos leitores de Ken Follet, aumentou mais ainda a curiosidade. O que acharam?

Outros posts legais

0 comentários

Olá leitor! Quero muito saber o que você do post!

-> Deixe nos comentários suas impressões, opiniões e expectativas. Só não vale contar algum spoiler sobre o livro, rs. Se quiser falar comigo e não quiser usar os comentários, escreva para mim por meio do formulário de contato, clicando aqui.

Obrigada pela visita! :D


Leitores do Open

Nossa página no facebook

Cópia atribuida


Esta obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil. Se usar algum texto não esqueça de citar a fonte.


Translate here: Google-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to English