21 de outubro de 2017

Os Románov - Simon Sebag Montefiore

Título: Os Románov - 1613-1918 | Autor: Simon Sebag Montefiore | Editora: Companhia das Letras | Número de Páginas: 908 | Ano: 2017 | Leia um trecho
Hoje estou aqui para falar sobre a ótima leitura de um livrão recenetemente lançado pela Companhia das Letras, Os Románov. Escrito pelo historiador e filósofo Simon Sebag Montefiore, o título de mais de 800 páginas narra a trajetória da família Románov e sua autocracia na Rússia, que durou mais de 300 anos. Para você que pretende começar a conhecer mais sobre o assunto, está aí uma forma bem interessante e completa de começar!

Como a própria sinopse nos dá a dica, podemos encontrar em sua história acontecimentos ainda mais surpreendentes do que os de Game of Thrones, com direito a vida de personagens muito apaixonados, grandemente influenciados por sua busca por riqueza e poder, bailes em palácios luxuosos, conflitos políticos, estratégias de guerra, traição, filicídio e muitos (muitos) assassinatos.

A trajetória dos Románov e sua influência na Rússia - que, diga-se de passagem, dura até os dias atuais - é fascinante! De Miguel I, considerado o primeiro Románov, até Nicolau II, várias figuras interessantes - e muitas delas também bastante controversas - governaram a Rússia entre 1613 a 1918.

O livro é dividido em prólogo - que faz uma relação entre o primeiro e o último Románov - , três atos - A Ascensão, O Apogeu e O Declínio - e um epílogo - Tsares vermelhos/tsares brancos. Tem também lista de ilustrações, mapa da expansão da Rússia, árvore genealógica, notas, introdução, bibliografia e índice remissivo. 

Se você é também um curioso sobre os Románov já deve ter ouvido falar de Pedro, o Grande, que foi um dos mais bem sucedidos da família, ganhou muitas batalhas e aumentou expresivamente o território russo. Ele tinha gostos peculiares e uma estranha fixação por anões, chegando a ter até uma comitiva formada por vários deles, que o divertiam na corte. Sua filha com Catarina I, Elizaveta, era conhecida por sua beleza e chamada de Vênus Russa. Ela manipulou cuidadosamente a sucessão que levaria Catarina II, mais tarde Catarina a Grande, a governar a Rússia de 1762 a 1796, uma das autocratas que viveu por mais tempo, dado que a maioria não passava dos 40 e poucos anos. Catarina era bem estudada, adorava leitura e tinha contato com vários pensadoress da sua época, como Voltaire e Diderot. Seu neto Alexandre I foi quem tomou Paris e derrou Napoleão e seu exército no ano de 1814. Existe uma especulação sobre sua morte, que sugere que Alexandre desistiu de governar após a morte da irmã e da filha, passando a viver em segredo longe dali.

Alexandre II, filho de Nicolau I, foi um dos herdeiros mais bem preparados e ficou conhecido por ter libertado os escravos durante seu governo. Ele acreditava piamente que sua amante lhe dava sorte pois escapou de vários atentandos contra sua vida. Outras duas figuras marcantes foram Nicolau II e Alexandra, os últimos Románov a governar o Império Russo - que nessa época acabou passando por várias organizações de poder - e que devido a baixa popularidade e as mudanças com a 1ª Guerra Mundial, foram obrigados a renunciar e acabaram brutalmente assassinados. Nicolau e Alexandra tinham como grande amigo a figura controversa de Rasputin, que era uma espécie de confidente dos czares e ganhou sua confiança ao ajudar nas crises de Alexei, o único filho do casal e herdeiro que sofria de hemofilia. Falando em Rasputin, sua influência sobre os Románov e seu fim são bem diferentes do que conhecemos na animação da 20th Century Fox, Anastasia (que eu adoro, aliás!). Bem... Se pensarmos friamente, ele pode ter contribuído para a ruína da família de uma forma mais indireta, rs.

Uma publicação compartilhada por Carol | Open Page | (@dcarool) em


A extensa pesquisa do autor e a vasta bibliografia que ele utilizou como fonte para escrever o livro e a colaboração de outros pesquisadores são pontos muito positivos e, principalmente, é o estilo da narrativa de Montefiore, fluída, leve e envolvente que tornam a leitura ainda melhor e tiram a má impressão de que livros de história são sempre monótonos e lentos.

Um aspecto que pode dificultar um pouquinho a leitura é que muitos nomes se repetem ao longo das gerações mas nada que um retorno e uma olhada mais atenta nas imagens - pinturas e fotos - e a árvore genealógica da família não resolvam.

Mesmo sendo muito interessante acompanhar o começo e o fim de cada um deles e perceber como o poder influenciava seu psicológico e, consequentemente, suas decisões e atitudes, - a maioria deles vivia desconfiando de tudo e de todos ao seu redor -, senti que o autor não é sempre imparcial e demonstra um tom negativo em alguns momentos, o que fica mais evidente nos capítulos sobre Nicolau II e Alexandra. Curiosamente, a parte do livro sobre essa época, tratada nos últimos capítulos, foi a mais difícil para mim, que acabou necessitando mais tempo de leitura do que as outras.

Concluindo minhas impressões: Vale muito a pena a leitura! Se você tem interesse na história da Rússia, e claro, quer saber mais sobre os Románov, não deixe o tamanho do livro te intimidar e embarque nessa interessantíssima viagem histórica.

Compartilhe

  • Delicious

0 comentários:

Olá leitor! Quero muito saber o que você do post!

-> Deixe nos comentários suas impressões, opiniões e expectativas. Só não vale contar algum spoiler sobre o livro, rs. Se quiser falar comigo e não quiser usar os comentários, você pode escrever para mim por meio do formulário de contato, clicando aqui.

Obrigada pela visita! :D


Blogger Template by Clairvo